A maneira mais eficiente de fazer revisões para o ENEM

A maneira mais eficiente de fazer revisões para o ENEM é não deixar para rever tudo só na véspera da prova. Sabe aquele mês final de revisões? Pois é, não se prenda só a ele. Afinal, fixar o conteúdo na memória exige um bom cronograma de estudo aliado à revisões periódicas.

Senão, você com certeza vai passar pelo famoso “branco” na hora da prova e se sentir extremamente frustrado por pensar “eu estudei isso, só não lembro”.

Então, para evitar que isso aconteça, inclua o método de revisões programadas na sua rotina. Ele leva em conta a teoria da curva de esquecimento, desenvolvida pelo psicólogo alemão Hermann Ebbinghaus e sugere que revisões sejam feitas periodicamente até a data da prova.

No entanto, se formos contabilizar, são muitas revisões para o ENEM, já que são muitos assuntos pra estudar! Será que dá pra fazer isso de maneira eficiente e sem se perder? Dá sim. Continua lendo que você vai descobrir como fazer tudo dar certo.

Três pessoas segurando sinais de interrogação gigantes.

Deu branco!

O “branco” que sofremos quando estudamos algo e não lembramos na hora da prova se deve ao processo de esquecimento natural pelo qual o nosso cérebro passa. Assim, no século XIX, o psicólogo Hermann Ebbinghaus estudou sobre o tema e expressou tudo em um gráfico que mostra o nosso percentual de absorção de informações e o natural esquecimento ao longo do tempo.

Segundo o gráfico:

– A retenção inicial de conhecimento chega próximo aos 100% e vai caindo com o passar do tempo.

– Em 20 minutos, essa retenção decresce para aproximadamente 55%.

– Em 24h, cai para 30%.

– Em 7 dias, reduz para algo em torno de 20%.

– Em 30 dias, cai drasticamente para 5%.

Isso quer dizer que se não ajudarmos nossa memória, todo o nosso esforço de estudos será perdido e, por isso, fazer revisões para o ENEM são tão importantes.

Como fazer revisões para o ENEM?

Para ajudar a fixar o conteúdo, o ideal é programar as revisões. Mas como elas devem ocorrer? Antes de mais nada, saiba que, no momento em que você está estudando um conteúdo novo, é preciso que você faça anotações com suas palavras, monte mapas mentais, construa flashcards, etc. Algo, portanto, curto e objetivo.

O ideal é entender bem o que está estudando e anotar somente os tópicos mais importantes. Afinal, a revisão não é o momento de estudar tudo novamente, mas – como o próprio nome diz – é a hora de rever tudo o que você construiu e anotou no momento de estudar.

Claro que sempre é possível fazer atualizações no seu material, mas respeite o momento de cada tarefa, tente concluir a proposta de cada uma delas. Assim, você não atropela as fases do seu estudo e não se perde no cronograma. Mas falando em cronograma, vamos ver como montar sua tabela de revisões.

Revisão de 24 horas

Estude bem o seu material e, no dia seguinte, antes de começar um novo conteúdo, faça a sua primeira revisão. O ideal é que você reserve 15 minutos para revisitar o material construído durante o estudo do dia anterior. Além disso, resolva questões e – se preciso – atualize o seu resumo.

Revisão de 7 dias

Proceda de maneira semelhante à revisão das 24h. Tente resolver ao menos 5 questões sobre o tema estudado. Dê ênfase a esta revisão e a anterior, pois elas são as mais importantes.

Revisão de 15 dias

A partir daqui você pode começar a reduzir o tempo das revisões. Afinal, você vai começar a perceber que nem será preciso mesmo gastar tanto tempo. Você vai olhar o seu material e lembrar de tudo mais rapidamente.

E isso é ótimo, pois é um sinal de que tudo está se fixando na sua memória. Revise por 10 minutos, resolva em torno de 3 questões e atualize o seu resumo.

Revisão de 30 dias

Passados 30 dias do primeiro contato com determinado conteúdo, chegou a hora de mudar um pouco a estratégia. Pegue aquelas questões que você errou anteriormente e resolva-as novamente. É a sua chance de rever a matéria de maneira prática e de economizar o seu tempo para estudos novos.

Revisão após 30 dias

Após a revisão de 30 dias, você poderá fazer novas em 60, 120 e 180 dias. Reveja seus resumos, mapas mentais, flashcards e siga assim até as proximidades da prova.

No entanto, se você não tem muitas horas disponíveis de estudo, você ficará sobrecarregado com tantas revisões, pois também precisa seguir com os assuntos novos. Assim, você pode eliminar as revisões de 15, 60, 120 e 180 dias, dependendo da sua dificuldade no assunto e desempenho nas questões.

Para saber como montar seu material de revisões, leia: 4 técnicas poderosas de estudo.

Post its, cadernos, marca-textos, lápis e materiais de revisão para o ENEM sobre uma superfície.

Monte sua agenda

Então, resumindo, você tem que organizar seus conteúdos novos e as revisões para cada um deles. Tudo bem detalhado para não deixar nada passar direto. Sugiro que você faça essa organização em uma agenda física ou virtual.

Boas sugestões são o Google Agenda, em que você pode programar todas as suas tarefas como numa agenda comum (só que virtualmente para acessar pelo computador ou celular); e o Trello, em que é possível criar tudo do zero e organizar da maneira que achar melhor sem precisar se prender ao espaço restrito de um calendário.

Mas se você quiser ainda mais praticidade e interatividade, monte o seu plano de estudos pelo Planejativo. Nele, o seu plano é adaptativo, ou seja, você monta de acordo com o tempo que tem pra estudar. Além de dispor de questões, alertas de revisões para o ENEM e sugestões de materiais de estudo que acompanham a sua rotina. O Planejativo gerencia os seus estudos e você só se preocupa em estudar. Não é maravilhoso?

E você? Como organiza suas revisões? Conta pra gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *